A cultura do consumismo e suas implicações na infância

O crescente mercado de consumo voltado à infância traz à tona muitos questionamentos e preocupações àqueles que se se ocupam em garantir os direitos da criança e preservá-las de determinados abusos, tais como os abusos comerciais.

Um vasto leque de produtos e serviços é oferecido cotidianamente aos pais e seus filhos e, nesta dinâmica, torna-se urgente a reflexão sobre o lugar da criança: será que elas precisam ser inseridas no contexto do consumismo desde o berço?

A indústria de bens de consumo diz que sim e aos pais, pesquisadores e educadores, resta a árdua tarefa de questionar, criticar e, em última instância, desconstruir uma cultura que olha para a criança, desde muito cedo, como consumidora.

Em sociedades permeadas pela lógica do capital e sustentadas pelos argumentos da mídia, a experiência do brincar – momento potente, em que a criança investiga o mundo e constrói vínculos profundos consigo mesma e com os seus pares – inunda-se pelos valores da cultura do consumismo. Tais valores – como a supervalorização da posse material  – passam a ser referências expressivas para a construção da subjetividade e do imaginário dos participantes destas sociedades.

Aos atentos e preocupados com a infância, cabe refletir sobre como esta cultura afeta a construção do imaginário das crianças e quais implicações traz às experiências vividas por elas.

O brinquedo, artefato que ganha sentido profundo quando produzido pelas mãos das próprias crianças, viu-se apropriado por um mercado de consumo cada vez mais especializado, que passou a oferecer ao ‘público infantil’ uma ampla variedade de produtos alinhados às narrativas midiáticas, prioritariamente aos personagens dos filmes e desenhos dos grandes conglomerados de entretenimento, como as indústrias Disney.

Esta é uma realidade que está posta – a ideia hegemônica de infância é aquela construída pelas grandes marcas. Um pouco na linha do pensamento: “Toda criança precisa realizar o sonho de ir à Disney”.

Regras e condutas de comportamentos são ditadas diariamente pelos discursos midiáticos, por meio de mecanismos culturais, como filmes ou os próprios brinquedos. Assim, cabe aos adultos e cuidadores eleger com lucidez o que será apresentado às crianças, pois elas tomarão o oferecido como importante referência na construção de sua identidade e de seus valores sobre o mundo.

Se nos propusermos a entender a essência da infância compreenderemos que crianças não precisam dos excessos da indústria (talvez nem os adultos, certo?). O que elas necessitam com urgência é de liberdade, que é condição contrária à cultura do consumismo.

Essa liberdade que defendo pode ser encontrada, por exemplo, na vastidão da natureza. Os ciclos, os espaços e os materiais da natureza oferecem à criança um ambiente propício à investigação e às descobertas. Também oferece partes soltas, como folhas, troncos, água, terra, que estão sempre dispostos a virar tudo aquilo que a criança imaginar.

É importante dizer, porém, que não temos aqui um manifesto contra o brinquedo da indústria, mas sim um alerta frente à cultura do acúmulo que permeia nossas experiências de vida. Não se trata de banir o industrializado, mas de consumi-lo com criticidade, pois não falamos apenas de um consumo material, mas principalmente simbólico: quais as mensagens que determinados brinquedos carregam?

Também devemos pensar sobre o que transmitimos às crianças quando limitamos suas experiências ao circuito de consumo.  

Ao oferecer somente o pronto e o industrializado ou restringi-las a circular apenas nos ‘templos’ do consumo, como os shoppings, legitimamos os valores de uma cultura consumista, que preza pela posse e minimiza as possibilidades de experiências de protagonismo e autoria.

As crianças precisam viver o que, aos olhos dessa sociedade regida pelo capital, parece banal ou pouco produtivo: visitar parques ao ar livre, sentir a textura de uma flor ou simplesmente vivenciar o ócio. Estas são experiências que não carregam consigo os valores de um mundo alinhado ao consumismo e, exatamente por isso, possibilitam liberdade para que as descobertas da infância ocorram a partir de desejos que surgem de dentro para fora e não a partir daqueles provocados pelos discursos da mídia e pelo mercado de consumo.

Foto: Pixabay

Anúncios

Criança, do latim “creare”.

Em uma breve retomada etimológica da palavra ‘criança’, descobrimos que sua origem vem do latim ‘creare’, do mesmo radical que derivam as palavras ‘criação’ e ‘criatividade’. Uma raiz bastante pertinente, que dialoga intimamente com o universo da infância.

Em seu contato com o mundo, as crianças são extremamente imaginativas. Estão, a todo o momento, atentas e curiosas ao seu entorno, numa relação constante de construções e desconstruções. Elas transformam-se em pássaro, monstro e flor, simultaneamente. De uma caixa de papelão, fazem um castelo, inventam histórias para as borboletas e para o sol; criam seus mundos.

Porém, será que nós, adultos, estamos permitindo que as crianças exerçam essa criatividade, que lhes é tão inata, de forma livre e espontânea? Em uma sociedade conduzida pela lógica do capital, essa pergunta é importante e cabe, principalmente, aos grandes centros urbanos, em que a dinâmica do consumo já se naturalizou, influenciando o ritmo de vida de muitos.

Vivemos sob discursos que se direcionam claramente ao consumismo. A ideia central é consumir, descartar, consumir novamente e entrar de cabeça neste ciclo, responsável por alimentar e sustentar indústrias dos mais distintos produtos e serviços.

Dentro desta lógica, deixamos de ser autores e nos tornamos exclusivamente proprietários; usufruímos daquilo que nos é apresentado como necessário e, assim, mergulhamos numa dinâmica consumista. Precisamos estar atentos e questionar se realmente necessitamos de tudo aquilo que o discurso do consumo nos propõe, principalmente quando pensamos nas crianças e em como estamos lidando com a questão do consumismo na infância.

A indústria voltou-se com empenho ao público infantil, principalmente a partir da década de 60, quando estudiosos do marketing perceberam que a construção do consumidor começava ainda na infância e que crianças influenciavam, inclusive, decisões de compra dos adultos.  Estudo realizado em 2015 pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) com mães das 27 capitais apontou que seis em cada dez mães (64,4%) atendem aos apelos dos filhos quando eles pedem algum produto considerado desnecessário, como brinquedos, roupas e doces.

O mercado diz que tais produtos são fundamentais para a vivência de uma infância plena e feliz, e aos educadores (leia-se pais, professores e demais adultos que participam da vida da criança) resta questionar esse discurso da necessidade, apresentado em cada propaganda e embalagem de produto infantil.

Cachorros-robô que latem e pedem carinho; bonecas e suas vozes mecânicas; replicas de celulares, casinhas e comidinhas de plástico. Todos envoltos por embalagens ‘extraordinárias’, carregadas de promessas que levam à ideia da felicidade. São brinquedos com tantas funções, que o manual de instruções se faz necessário, trazendo o passo a passo sobre como utilizá-los.

Além disso, o brinquedo oferecido pela indústria vem repleto de sentidos e significados, intimamente ligados aos valores, símbolos e crenças do mundo dos adultos. Assim, antes de pagarmos pelas imensas embalagens e seus produtos de plástico, precisamos entender o que significa o brincar na vida de uma criança: será que ele ocorre apenas na presença destes brinquedos industrializados?

A brincadeira é a forma como a criança se expressa, como ela descobre o mundo e como descobre a si mesma. Durante o brincar a criança acessa seu imaginário; cria, recria, monta e desmonta, entra em contato com seus sentimentos e vontades; investiga, constrói hipóteses, organiza suas fantasias e exerce a sua criatividade.

Brincar traz a possibilidade de autoria e autonomia, é um percurso necessário e extremamente rico; é a própria linguagem infantil. Ao entregarmos um brinquedo repleto de botões e funções pré-determinadas tiramos a riqueza do percurso, oferecemos o pronto, empobrecendo as possibilidades de criação; a criança vira proprietária e não construtora.

O excesso de brinquedos industrializados também contribui para o distanciamento com os materiais simples que estão presentes ao seu redor, como os elementos da natureza. Com brinquedos extremamente rebuscados em termos de funções e tecnologia, as brincadeiras tendem a limitar-se a espaços internos e, assim, a criança perde a oportunidade de explorar os tantos sentidos que a natureza oferece e que são tão fundamentais ao enriquecimento dos processos de aprendizagem e ao próprio desenvolvimento humano.

A criança, sobretudo entre os 0 e 6 anos, período definido como ‘primeira infância’, precisa de experiências táteis e principalmente, afetivas; são essas as recordações e as vivências que, para ela, serão inesquecíveis. A educadora e antropóloga Adriana Friedmann, em seu livro ‘ Linguagens e Culturas Infantis’ provoca: “A infância é, ou deveria ser, um período de experimentações, sensações, sabores, cores, brincadeiras. Mas, no mundo atual, o que está interferindo para que esta infância não seja vivida de forma plena e saudável?”.

É preciso cuidar para que as crianças não vivenciem somente experiências de ter, que as tornem exclusivamente proprietárias. Elas necessitam de tempo, espaço e liberdade para potencializar sua linguagem mais genuína, que é o brincar. Deixemos que elas criem, e ergam seus próprios mundos.

Consciência negra é…

Estamos no Novembro Negro, mês da consciência negra. Mas – afinal – o que é consciência negra? Deixamos aqui um olhar sobre o tema e convidamos todos a refletirem sobre a pergunta e sobre as estruturas sociais que constituem e regem nossa sociedade. Uma causa de ontem, de hoje e de todos os dias, até que possamos ter uma sociedade que negue estereótipos e caminhe rumo à uma estrutura justa, capaz de acolher a todos de forma humana, digna e respeitosa. Uma militância de todo brasileiro.

———————————————

Consciência negra é…

Consciência negra é entender que o mundo a todos pertence; que não há uma única cultura, mas sim o encontro entre várias. É entender que a grandeza da cultura de nosso país deve-se exatamente a esses encontros, que aos poucos modelaram e enriqueceram a nossa culinária, nosso vocabulário, nossas práticas religiosas, nossa música, dança e, sobretudo, o nosso modo de viver a vida.

O encontro com a cultura-afro foi  – com certeza – um dos mais significativos para a história de nosso país. Quando os negros africanos foram deslocados para o Brasil (de maneira forçada e extremamente desumana – trazidos na forma de mercadoria) trouxeram consigo um mundo inédito, repleto de hábitos e costumes jamais vistos antes: a música, a comida, a dança – tudo tão novo; tão encantador.

consciencia-negraA cultura dos negros escravos não tardou em ultrapassar os limites da senzala e a todos conquistar. Tornou-se um dos grandes pilares da cultura brasileira e hoje podemos enxergar a influência afro em nossa culinária (vatapá, acarajé), música (samba, maxixe, bossa-nova), vocabulário (dengo, cafuné, cachimbo, batuque), nas práticas religiosas (candomblé, umbanda) e no próprio corpo brasileiro: os traços negros, a cor da pele, o cabelo, o jeito de mexer, de andar, de dançar.

Claro que pensar na presença dos negros africanos no Brasil é também pensar na exploração, no sofrimento e no preconceito racial, que marcaram de forma tão intensa a nossa sociedade. Ainda hoje vemos as raízes desse sistema escravocrata: o negro sofre preconceito, muitas vezes é marginalizado, representado sob visões estereotipadas e visto como subalterno.

Essas raízes calcadas no preconceito e marginalização, porém, estão perdendo força, já que não se justificam. Mas não podemos negar que ainda enfrentamos, em nosso cotidiano, fortes marcas do período escravocrata. Um retrato escancarado dessa herança é a “cultura da empregada”. Elites brasileiras têm alguém para passar, cozinhar, limpar; um alguém que, geralmente, fica restrito aos limites da cozinha e lavanderia. (Isso te remete a algo?)

Trata-se de um problema social: o Brasil se desenvolveu apoiado em uma ordem que nunca favoreceu os negros. Mesmo após a abolição da escravatura, em 1888, os ex-escravos não tiveram qualquer tipo de assistência do Estado – não eram mais escravos, mas tão pouco eram reconhecidos como cidadãos. Ficaram às margens da sociedade.

Outro ponto: como mudar a mentalidade daqueles que, há pouco, os escravizavam? A cultura servil naturalizou-se e, por mais absurdo que pareça, ainda hoje (2015!) escutamos discursos que valorizam a lógica da exploração (e claro que as pessoas que levantam essa bandeira, levantam também a bandeira do preconceito).

Cultura, política, economia… Esferas sociais que caminham juntas, que são inseparáveis e, por isso, ao falarmos da influência da cultura-afro em nosso país acabamos caindo em questões políticas e econômicas, mas devemos voltar à pergunta inicial: O que é Consciência Negra?

Termino este texto dando a resposta que, para mim, parece mais adequada: Temos a cultura-afro no sangue, no corpo e na alma. Ser brasileiro é ser afro e, por isso, consciência negra nada mais é do que reconhecer e respeitar o que somos: afro-brasileiros.

E para você? O que é Consciência Negra? Deixe sua resposta no espaço para comentários!

Mapa da Infância Brasileira lança plataforma colaborativa de aprendizagem

Pensar a infância com a atenção e o cuidado necessários, esse é o grande diferencial do Mapa da Infância Brasileira (MIB), uma comunidade colaborativa de aprendizagem  que tem como missão articular, mobilizar e criar sinergias entre os diversos atores e iniciativas que visam gerar impacto positivo na qualidade de vida das crianças brasileiras.

Idealizado e coordenado pelo NEPSID (Núcleo de Estudos e Pesquisas em Simbolismo, Infância e Desenvolvimento),
o projeto iniciou suas ações em 2013 com a pesquisa “Espaços e Programas humanizados para as crianças
de São Paulo”, que reuniu ações inovadoras na cidade e alimentou o desejo de ir além: olhar não apenas para São Paulo, mas para as diferentes infâncias brasileiras.

Assim surgiu o MIB; um convite ao diálogo, reflexão e  inspiração sobre a infância e suas linguagens. Um lugar para acolher os gestos e ritmos infantis e refletir sobre eles. Uma comunidade para aprender, trocar, pesquisar e, sobretudo, para alimentar a alma.

São muitas as iniciativas inspiradoras voltadas à infância Brasil afora! O MIB surge para reunir essas iniciativas e permitir que pessoas interessadas pelos temas da infância se encontrem e troquem informações.

Qualquer um pode participar da comunidade. Se você tem interesse em se aprofundar no tema e conhecer boas práticas, ou se deseja compartilhar uma iniciativa ou conteúdo, acesse a plataforma e inscreva-se.

Além da plataforma online, o MIB desenvolve e aplica instrumentos de pesquisa junto a crianças e seus cuidadores, com o objetivo de buscar indicadores às diferentes iniciativas das quais as crianças participam. Os instrumentos do MIB já foram utilizados em iniciativas como o Movimento Boa Praça, Sacolão das Artes e Projeto Casulo.

Acompanhe o Mapa da Infância Brasileira!

 

Experiências perdidas

Ontem conheci uma garota muito simpática. Entre um assunto e outro, ela me contou que fora professora durante alguns anos em uma escola voltada à classe alta (super alta! muito alta!) de São Paulo. Com uma mensalidade ‘salgada’, a escola atende famílias de milionários paulistanos. Até aí, nada tão problemático, mas, quando o excesso de dinheiro vem acompanhado do excesso de ignorância e ausência de criticidade, questões graves podem surgir. Muitas destas famílias parecem mergulhar a fundo na lógica do consumo, defendendo e perpetuando valores supérfluos, que reafirmam comportamentos preconceituosos, excludentes e pouco acolhedores.

A própria escolha pela escola dos filhos parece estar baseada na lógica do consumo. A instituição de ensino da qual falamos tornou-se um status importante entre os milionários de São Paulo e, colocar os filhos ali tem um peso simbólico considerável. Em entrevistas com diretoras, parece que são poucos os pais que indagam sobre o Projeto Pedagógico adotado pela escola, mas todos afirmam “meu filho tem que estudar aqui”.

Não pretendo criticar ou discutir o projeto da escola, até porque não o conheço em profundidade. Quero pensar sobre os ambientes pelos quais essas crianças circulam. Os relatos que ouvi me assustaram. Tive a impressão de serem ambientes que tendem a marginalizar e transfigurar valores importantes ao desenvolvimento humano, como a empatia e a tolerância, e impor enormes barreiras para que essas crianças e jovens experimentem o mundo livremente, a partir das diferentes interações com seu entorno.

picjumbo.com_IMG_5498Algumas crianças dessa escola, por exemplo, são proibidas (pelos pais) de estabelecer contatos próximos com aqueles que não pertencem a sua classe social. Tomei conhecimento da história de um casal que proibia a filha de 4 anos a entrar na cozinha da própria casa e estabelecer qualquer contato com os empregados. Meu coração partiu nesse momento. Foi ai que eu entendi como o dinheiro, somado à ignorância, pode privar crianças a experimentarem o mundo e todas as suas surpresas, belezas e diversidade. O dinheiro, somado a valores mesquinhos, pode ser tão grave quanto a falta dele.

Privar uma criança de entrar na cozinha da própria casa? O que sustenta esta regra? Proibir que conheça seu próprio lar, que aprenda como é feito o alimento que consome todos os dias, que conheça quem está fazendo a sua comida e que possa fazer junto… Impedir que descubra texturas, sabores e cheiros, que conheça o processo de preparação do alimento, até que ele chegue ao prato. Quantas privações, quantas experiências perdidas! E por quais motivos?

A mesma reflexão cabe à proibição do contato com os empregados da casa. Uma escolha insustentável, que perpetua uma lógica excludente, limitando e empobrecendo o mundo e as experiências da criança. A troca e a convivência entre os seres humanos – principalmente entre aqueles que dividem o mesmo espaço – deve ser algo natural e saudável, capaz de trazer inúmeros aprendizados, como o desenvolvimento da empatia e da capacidade de negociação.

Muitos pais, ao impedirem essas vivências, ferem a infância dos filhos com seus valores invertidos e equivocados. As crianças, vítimas destes contextos, tendem a reproduzir as falas e os comportamentos dos pais, assumindo-os como verdades, e correm o grave risco de tornarem-se adultos egoístas, preconceituosos e consumistas. É preciso cuidar dessas crianças, preservar suas infâncias e seus futuros!

Essa situação me fez reviver uma experiência de anos atrás. Eu estava na casa de uma amiga cuja família é muito rica. Muitas coisas na dinâmica daquela casa me chamavam a atenção; uma delas era o fato de ter um interfone no quarto, que tocava diretamente na cozinha. Bastava tirar o telefone do gancho, pedir um suco e, em poucos minutos, o pedido estava lá (sim, parecia mais um hotel!). Mas o que me chocou profundamente foi a fala da irmã da minha amiga. Ela se aproximou de mim e perguntou: “Você sabe qual carro o meu pai tem?” Eu respondi: “Não”. E ela retrucou: “Uma Mercedes”. Essa menina tinha por volta de 5 anos. Eu também era criança na época, devia ter 12 anos. Quando ouvi aquilo fiquei sem reação e, depois de muito tempo, entendi que, naquele momento, eu senti compaixão. Como uma criança, com aquela idade, poderia estar com essa narrativa? Algo muito errado estava acontecendo ao seu redor.

E tive novamente essa sensação durante a conversa de ontem.

Mães que, após darem a luz ‘colocam peito’, minicomputadores como lembrancinhas em festas infantis, bullying com aqueles que não possuem avião ou casa fora do país; ‘andar de ônibus’? ‘fazer a própria comida’? – Fatos e perguntas que fazem parte da realidade dessas crianças e que contribuem para o seu desenvolvimento como ser humano. E, que ser humano será esse? O excesso parece causar esvaziamentos profundos e não podemos permitir que esse processo afete a infância, fase tão importante na construção daquilo que seremos no e para o mundo.

Precisamos de pessoas inteiras, que sejam tolerantes, amigáveis, compreensivas e transformadoras. Ambientes com tantas cercas e dogmas, com certeza não são os mais saudáveis para o desenvolvimento pleno de nossas crianças.

Longa metragem ‘Território do Brincar’ tem pré-estreia durante abertura da Ciranda de Filmes

Dia 20 de maio de 2015 ficou marcado por encanto e alegria. Na noite de abertura da Ciranda de Filmes, mostra de cinema focada em infância e educação, veio ao mundo o filme “Território do Brincar”, de Renata Meirelles e David Reeks. Uma produção da Maria Farinha Filmes e Ludus Vídeos e Cultura.

Em uma exibição para 800 convidados, o Auditório do Ibirapuera virou cenário para celebrar a infância. Os presentes foram recebidos com um cocktail inspirado na rota traçada pelos diretores do filme: durante dois anos eles percorreram diversas regiões do Brasil, ali relembradas pelos sanduiches de rabada, cuscuz paulista, beiju e saladinhas de feijão. Um primeiro gosto do que seria aquela noite.

E que noite! Se pudéssemos resumi-la em uma palavra, a escolhida seria ‘encontro’. Encontro de pessoas queridas e o encontro consigo mesmo. A sensibilidade do Projeto Território do Brincar, agora registrado em longa-metragem, tem o poder de nos transpor ao universo da infância e nos reconectar à nossa essência; nos faz refletir, acima de tudo, sobre o humano, pois é na criança que vive, da forma mais pura e genuína, a potência de todos nós.

Um filme que arranca lágrimas e risadas e que desenterra lembranças profundas. São 90 minutos de puro encantamento. Ao final, os convidados assistiram ao pocket show do grupo mineiro Uakti, responsável pela trilha sonora do filme. E a noite se encerrou com uma linda ciranda na voz de Tião Carvalho.

Além da pré-estreia, o filme Território do Brincar também entrou na programação da Ciranda de Filmes, que ocorreu no Cinesesc e no Cine Livraria Cultura, entre 21 e 24 de maio. No dia 21/05 o filme foi exibido ao público da Ciranda e, no dia 22, a equipe do longa ministrou a Oficina ‘Desvendando o Processo Cinematográfico’, oportunidade em que conversaram com o público sobre os bastidores do filme.

O Território do Brincar chegará aos cinemas de São Paulo e Rio de Janeiro no dia 28 de maio e, no dia 4 de Junho, será lançado nos cinemas de Porto Alegre, Curitiba, Florianópolis, Brasília, Belo Horizonte, Salvador, João Pessoa e Santos.

Lançamento do longa-metragem 'Território do Brincar'. Foto: Aline Arruda.

Lançamento do longa-metragem ‘Território do Brincar’. Foto: Aline Arruda.

Texto publicado originalmente no site do Projeto Território do Brincar.

Manoel, guardião de todos nós.

‘Quem se aproxima das origens se renova’.

Manoel de Barros é aquele tipo de pessoa necessária ao mundo. Faz parte do grupo de ‘guardiões da humanidade’ e dedicou sua vida para que pudéssemos resgatar a nossa essência. Quem somos? Por que somos? Onde estamos e para onde vamos?  O que realmente importa?

Os biólogos poderiam nos dar boas respostas, assim como os filósofos ou até mesmo os matemáticos, mas prefiro contar com os poetas. Prefiro contar com O poeta. Para essas e outras perguntas, minha escolha é consultar Manoel de Barros, um homem de miudezas e infinitas belezas.

Poesia, quando não causa ruído, melhor deixar pra lá. Mas esse não foi o caso com Manoel. As palavras dele grudaram na minha alma e me fizeram entender que não havia problema em ver beleza nas pequenezas da vida, afinal, são elas que engrandecem o nosso existir.

Como ele mesmo dizia, sua poesia emana da infância. Foi ali, no baú de memórias inventadas da infância, que ele encontrou todo o alimento de seu trabalho. Um poeta que sempre escutou as crianças com respeito e admiração e foi com elas que aprendeu a ‘ouvir a cor dos passarinhos’, ‘apanhar desperdícios’ e ‘carregar água na peneira’.

Um homem imenso, costurado pelos detalhes do mundo. Além da sua obra completa, um outro jeito de se encantar por Manoel de Barros é por meio do documentário “Só dez por cento é mentira“, dirigido por Pedro Cezar.

São 82 minutos de carinhos que tocam o profundo da alma. Ali, o próprio Manoel nos conta de sua vida e de suas palavras. Temos a alegria de conhecer quem foram os seus heróis e grandes inspirações. O filme, assim como seus poemas, é um agrado que todos nós merecemos, pelo simples fato de estarmos vivos.

Manoel é coisa séria, e não à toa emprestou – e ainda empresta – sua sensibilidade a tantos educadores do Brasil e do mundo. A educação, mais do que nunca, precisa beber do universo ‘Manoelês’, pois, para construirmos um mundo mais acolhedor e sensível, é necessário que o ritmo das tartarugas tenha mais valor do que o dos mísseis.

‘O Sal da Terra’ – Um filme para sempre

A primeira vez que ouvi Sebastião Salgado ele conversava com o jornalista Roberto D’avila. Parei tudo o que eu estava fazendo para me concentrar naquele homem de sobrancelhas brancas e tão expressivas. Cada frase soou como um presente e, depois de ouvi-lo, o meu amor pela vida ficou um tantinho maior.

Eu já conhecia o trabalho de Sebastião, mas nunca tinha escutado sua voz.  Meus olhos derramaram lágrimas e compreenderam o motivo da intensa beleza de seus registros: ele fotografa com o coração e tem como grande auxiliar a vastidão de sua alma. Um poeta de olhares profundos, que fala sobre a vida e suas tantas faces, ora maravilhosas, ora devastadoras.

Sebastião Salgado – Iguana-marinha (detalhe), Galápagos, 2004.

Sebastião Salgado – Iguana-marinha (detalhe), Galápagos, 2004.

A forma como Sebastião traduz o mundo nos coloca em nosso devido lugar. De maneira sensível e extremamente respeitosa, ele adentra comunidades de humanos, macacos, morsas, crocodilos, tartarugas e nos reconecta às nossas raízes. Viemos todos de uma mesma célula, somos uma grande comunidade, que está vinculada pela história da origem da vida.  Mas raramente nos lembramos disso.

Para Sebastião Salgado, que já esteve entre tantos grupos de animais, o humano é o mais cruel e feroz de todos; coloca-se como ‘principal’ dentro do cenário do mundo e se vê no direito de destruí-lo. Devasta florestas, polui rios, destrói seus semelhantes, extingue outras espécies, num movimento claro de esquecimento: não nos vemos como parte da natureza e acreditamos ser superiores a uma árvore ou a uma iguana. Doce ilusão.

Estamos todos juntos nesse planeta e devemos respeita-lo, pois ser humano também é ser terra, água, fogo e ar. A vida humana está intimamente ligada a todas as outras formas de vida: uma formiga, uma árvore e uma onça têm absolutamente tudo a ver conosco. Mas nos desligamos desse pensamento e nos tornamos brutais e ferozes.

No documentário “O Sal da Terra”, que conta a história da vida e obra de Sebastião Salgado, esse olhar nos acompanha o tempo inteiro. E, por isso, merece visto. É um recado para a humanidade. E essa tem sido a grande herança dos projetos de Sebastião: por meio de sua fotografia ele nos prova que a humanidade está à beira do abismo; não conseguimos resolver o problema da fome, realizamos as mais frias e sanguinárias guerras, arrancamos plantas e animais de seu habitat e, nesse movimento, provocamos nossa autodestruição.

Após as tantas denúncias que realizou ao longo de sua carreira, Sebastião declarou não ter mais forças, nem vontade, de continuar. Muitas de suas missões concentraram-se na tragédia humana e ele retratou as mais inimagináveis atrocidades (Veja aqui a obra completa do fotógrafo).

Exatamente por ter presenciado, ao longo de tantos anos de trabalho, tragédias que feriram sua alma, Sebastião decidiu voltar ao ofício, agora com uma linda homenagem ao Planeta Terra. Por meio de seu Projeto “Genesis”, ele mostrou que existem partes do mundo que ainda estão “a salvo” e, com o surgimento do Instituto Terra, em Minas Gerais, sua terra natal, nos deu um lindo recado: é possível reconstruir o mundo.

A vida se renova e nós precisamos entender qual o nosso papel nesta renovação. É preciso preservar o mundo e, para isso, devemos olhar, principalmente, para nossas crianças. Qual educação estamos dando a elas? Uma educação que valoriza e respeita a natureza? O que precisamos para mudar esse mundo que está à beira do abismo, marcado pela fome, desigualdade, consumismo e pela autodestruição? Precisamos, basicamente, nos reconectar às nossas raízes. A mudança é possível e a educação pode nos auxiliar nessa caminhada.

Por isso, finalizo com a mensagem que ‘O Sal da Terra’ é um filme para ser visto por crianças, por adultos, por idosos, por todos aqueles que participam do mundo e aqueles que um dia participarão: um filme para sempre.

As crianças da feira

Dia de feira. As ruas ganham novas cores e sons, ganham uma diversidade e uma alegria que, por aqui, só vemos, com tamanha intensidade, aos domingos. A feira é um jeito bonito de celebrar a vida e, por isso, sempre descemos, para comer tapioca, comprar flores e também peixe e pimenta. Ao voltar pra casa, porém, não carregamos conosco somente sacolas de compras, mas, principalmente, sorrisos, agrados, olhares e carinho: tudo isso a feira nos dá de presente, para começarmos a semana com o espírito leve e em paz com a vida.

Neste domingo minha atenção voltou-se às crianças da feira. São muitas e, cada uma em sua individualidade, possui diferentes maneiras de vivenciar aquele mundo tão colorido.

pés-feiraExiste uma dupla de garotos que sempre está por lá. São ligeiros e, para eles, a feira é espaço de trabalho e diversão. Ajudam os que vão às compras a carregarem suas sacolas e, com o dinheiro que ganham, compram pastel! Eles também circulam entre as barracas e, vire e mexe, ressurgem entre os toldos listrados, ora com uma laranja nas mãos, ora com uma melancia bem vermelhinha e suculenta. O caminhar deles é de quem conhece bem o chão em que pisam, têm a malemolência que nos faz entender que aquele lugar a eles pertence; são parte da feira e para ela se entregam de corpo inteiro. Que bonito ver a agilidade e esperteza desses garotos. Eles sabem se virar e, todo domingo, estão ali, correndo, com desenvoltura, atrás dos seus sonhos.

Mas, nem todas as crianças sentem-se tão à vontade na feira.

Aquele ruivinho, filho do dono da barraca de grãos, estava bastante emburrado hoje. Sentado em frente à loja do pai, com uma expressão nitidamente aborrecida, parecia aguardar algo que tardaria a chegar. O pai, irritado com a indisposição do filho, pergunta em alto e bom tom: “Por que você não ficou em casa?”. A resposta não veio. Talvez não tenha ficado em casa por que queria passar o domingo com o pai, talvez ele goste da feira, mas, naquele momento, já não estava mais se sentindo à vontade. Aquele espaço, com tantas pessoas estranhas, que não param de chegar, de perguntar, de experimentar e de comprar pode ter contribuído para o aborrecimento do menino, que, por um segundo, deve ter pensado “Por que eu não fiquei em casa?” Agora já era tarde demais.

Por ali também vemos muitas crianças que mostram o desejo de correr entre as barracas, mas, os adultos que as acompanham não parecem felizes com a ideia. O impulso frente às tantas cores e sons é imediato: querem correr em direção daquilo que as encanta! E na feira, é verdade, existem muitos encantos! Ficar parado é difícil. Vemos muitas mães e pais segurando mãos e braços dos filhos, para que não ‘escapem e se percam’. Ao segurar, porém, não seguram somente o corpo da criança, mas também a possibilidade da experiência e da descoberta. Seguram os sonhos!

Outros pais, contudo, deixam suas crianças viverem a feira com mais liberdade: elas ajudam na condução do carrinho, vão até as barracas, escolhem o que querem, chamam os pais para mostrar o que descobriram: se apropriam da feira e, é nítido, sentem-se parte de toda aquela alegria.

A feira é espaço pequeno, mas carrega consigo infinitas histórias e possui encantos que constroem um cenário bonito e acolhedor para as diferentes infâncias que ali se encontram. Todo domingo, crianças trazem ainda mais alegria para esse mundo colorido e nos mostram que, além de comprar legumes e frutas, a feira também é um belo lugar para brincar, correr e se encantar. Entre os lugares que merecem ser vividos pela criança, está a feira: ela nos recebe de braços abertos; é um abraço gostoso em meio à cidade que, tantas vezes, nos diz “não”.

NOTA: Esse texto foi produzido para o módulo “Brincar e a cultura da criança”, ministrado pela educadora Renata Meirelles, no curso de pós-graduação “Infância, Educação e Desenvolvimento Social”, do Instituto Singularidades. A proposta é deixar nascer em nós, adultos, um olhar sensível à infância e, por meio dessa observação cuidadosa e delicada, nos deixar encantar pelo universo (tão rico!) da criança. Precisamos cuidar das crianças a partir do que elas têm a nos dizer: ao observa-las, com atenção e sensibilidade, somos capazes de entender o que elas precisam, o que produzem e o que são. Com esse olhar cuidadoso, entendemos que a criança é encantada pelo mundo e seus detalhes, que ela se entrega, de corpo e alma, a tudo aquilo que realiza. Todos já fomos criança um dia, mas, muitas vezes, nos esquecemos disso. Ao voltarmos nosso olhar à elas, temos a chance de recuperar as belezas da infância e de (re)aprender com elas a sentir e viver o mundo de forma genuína e criativa.

Sustentabilidade: por uma nova educação, por um novo modo de vida.

crianca-naturezaA sustentabilidade é um tema importante a todos que queiram permanecer neste planeta  – no presente – e garantir um futuro possível às próximas gerações. É um tema amplo, que abrange não somente questões ambientais, mas sociais e econômicas.

Trata-se de um triângulo que opera em harmonia e, se provocarmos desequilíbrio entre essas três esferas, teremos crises extremamente graves e desafiadoras; inclusive, já estamos vivenciando algumas: crise hídrica, temperaturas extremas, enchentes, verticalização intensa das cidades e pouco espaço para o verde.

Será sustentável viver num mundo que, cada vez mais, preza pelos interesses econômicos sem priorizar as demais esferas tão (ou mais) importantes à vida na terra?

Precisamos cuidar de nossa morada e trazer a sustentabilidade para o centro da vida de todos, ela deve estar no dia a dia das pessoas, deve ser um modo de vida. Como cidadãos, precisamos cuidar do mundo que nos acolhe há tantos milhões de anos e deixa-lo habitável aos nossos filhos e netos.

Mas, como incorporar essa visão da sustentabilidade no modo de vida – e nos hábitos – das pessoas? O ideal é que se tenha uma educação voltada à valorização da natureza, da justiça e da igualdade, desde cedo. Crianças devem compreender seu papel no mundo e descobrir as formas de torná-lo um lugar melhor a todos.

Já existem muitas iniciativas que apresentam propostas interessantes nesse sentido. Uma delas é o projeto “Pequeno Sustentável”, um portal na internet sobre sustentabilidade e formas de (re)pensar a educação junto com as crianças e adolescentes.

Por meio de notícias, dicas, vídeos, fotos, artes, discussões, conversas e questionamentos, o site propõe importantes reflexões sobre os temas abordados e convoca pessoas de todas as idades para a construção de um mundo melhor. Os conteúdos são atualizados diariamente pela equipe, e também abre espaço para publicações e notícias de leitores de qualquer lugar do planeta.

Realizar ações e atividades sustentáveis, participar de eventos e movimentos socioambientais, se reunir para trocar ideias, (re)pensar a educação e multiplicar boas práticas, também fazem parte do projeto.

Entre os valores essenciais do projeto, estão: soliedariedade, cidadania, cultura de paz, consciência socioambiental, entre outros.

Se você se interessou pela iniciativa, tem interesse em participar ou ter acesso aos conteúdos divulgados, visite o site e curta a página no facebook.