Educomunicação e cultura afro

Resolvi unir dois temas que me interessam: Educomunicação e Cultura Afro-Brasileira. Já fiz pesquisas em ambas as áreas, porém nunca trabalhei a união das duas. Quem sabe esse seja um bom tema para um estudo futuro.

A cultura-afro compõe uma parte significativa deste grande mosaico cultural que é o Brasil! Não há como falar em Brasil e não citar as inúmeras heranças deixadas pelos negros africanos. Vindos da África, eles trouxeram uma riqueza cultural ímpar, que logo influenciou diversos campos de nossa cultura: culinária, dança, música, idioma e religião.

Vatapá, samba, candomblé, berimbau, capoeira, choro, maxixe, acarajé, bossa-nova – Tudo isso é comum para você? Pois então! Tudo isso (e muito mais) está relacionado à cultura afro e, como vimos, em uma breve listagem já podemos perceber a enorme influência dos negros africanos em nosso dia-a-dia.

O tráfico negreiro já é tema instaurado e obrigatório no conteúdo programático de toda e qualquer escola brasileira (e não poderia ser diferente, já que estudar história do Brasil sem estudar esse período seria um grande equívoco).

Mas, mais do que compreender o que foi o tráfico negreiro, é fundamental que seja compreendido quais foram as consequências ele trouxe ao nosso país e como a herança que deixou se manifesta até hoje: se a contribuição cultural foi imensa, outras heranças também derivaram desse período, como o preconceito, a exclusão, as diferenças sociais e por ai vai.

A influência não foi apenas no campo cultural, mas também nos campos político, econômico e social. Para entender a dinâmica atual de nossa sociedade temos que entender o passado e buscar em suas raízes explicações para o que vemos e vivemos hoje.

O estudo da história nos dá base para nos localizarmos no mundo e nos instrumentaliza para que possamos participar do mundo, minimizando assim o risco de nos tornarmos passivos e alheios aos fenômenos que nos cercam.

Ao conhecermos o passado podemos entender o que deu errado, pensar sobre o que poderia ter sido diferente, podemos, inclusive, entender o próprio presente e refletir sobre o futuro.

Adquirimos, portanto, um repertório rico, que nos auxilia a pensar criticamente a sociedade da qual participamos e nos oferece ferramentas para contribuirmos com a evolução desta sociedade.

O ensino da história é complexo, pois trata-se de uma matéria em movimento: ele é passado, é presente e também futuro. Por apresentar esse perfil dinâmico, é difícil pensarmos em uma aula de história que se esgota nas páginas de um livro ou em uma folha branca de prova (embora isso muitas vezes aconteça).

É nesse momento que pensamos a possibilidade de explorar práticas educomunicativas para ensinar história e cultura afro aos alunos.

A Educomunicação parece casar muito bem com o ensino da história e cultura de nosso país. Os alunos, por meio de práticas educomunicativas, podem falar de si, de sua cultura, entender como ela se localiza dentro da história do país, podem criar pautas, vídeos, entender de onde vieram, por que realizam determinados rituais, podem buscar compreender as culturas alheias e assim, com a produção e a troca, será mais fácil (e palpável) compreender as raízes de nossa cultura e entender que a história é um processo continuo, que não está isolado, mas interligado em todas as suas diferentes épocas, culturas, povos, religiões.

Também existe a questão da leitura da mídia, ou seja, é preciso alertar o aluno para que ele receba as mensagens midiáticas de forma crítica. As representações do negro e da cultura afro na mídia, por exemplo, devem ser analisadas sob um olhar questionador: Como ele é representado? Por que é representado assim? Qual a representação predominante? Quais os papéis sociais que o negro ocupa nas representações midiáticas?

Isso significa tentar compreender o sistema no qual estamos inseridos: não vamos tomar o que nos oferecem como uma verdade, mas vamos quebrar com essa “verdade” e oferecer novas formas de pensar e de representar os elementos que compõe o mundo em que vivemos.

Abaixo alguns sites que falam sobre a Educomunicação e cultura Afro Brasileira:

Educomunicação e produção cultural afro-brasileira

Educomunicação e cultura afro-brasileira

A Educomunicação, iiê aiyê e a visibilidade da cidadania negra

As representações do negro na publicidade contemporânea: a Campanha de Veja

Anúncios

Um pensamento sobre “Educomunicação e cultura afro

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s