O (des)cuidado com nossas escolas

Há tempos ando guardando certa indignação e descontentamento e hoje, atingida por um ápice de revolta, resolvi escrever esse breve desabafo.

Todos os dias, em meu caminho de volta para a casa, passo em frente a uma escola pública que, há mais ou menos 4 meses, encontra-se em um estado inadmissível.

Refiro-me a um muro escolar que simplesmente desmoronou. Isso mesmo. Um pedaço do muro da E.E. Napoleão de Carvalho Freire (localizada no Jardim Novo Mundo, São Paulo) veio abaixo.

Para resolver o problema foram colocados pedaços de plantas, terra, entulhos, e assim leva-se a situação, com tijolos caindo aos poucos (e colocando alunos e pedestres em risco), sujeira se aglomerando e o descuido e desrespeito escancarando-se para quem quiser ver.

Foto do Muro da E.E. Napoleão de Carvalho Freire (Esquina da Rua Gaivota com a Rua Iraúna)

Como é possível que um espaço público seja tratado dessa forma? Como permitir o descuido de um espaço educativo a ponto de torná-lo um antro de entulhos? E os alunos? Vivem e convivem em um ambiente pouco seguro em que o lema é “salve-se quem puder”, pois o muro está caindo, e ninguém está tomando atitudes frente a isso.

O que me deixa revoltada é a postura do Governo do Estado de São Paulo, ausente de sua responsabilidade. Até agora nada foi feito, e frente ao caos, parece que reinou a indiferença.

Onde estão os responsáveis por mantê-la um local digno de ser chamado de “escola”? E o respeito com os alunos? E com os professores? Que levantam todos os dias e deparam-se com o seu espaço de convívio completamente deteriorado? O que peço é apenas um pouco de consideração e respeito. Que tipo de tratamento é esse que oferecem a nós, cidadãos? Escolas deterioradas, literalmente caindo aos pedaços e mais do que isso… O descaso.

O espaço físico da escola não pode ser colocado de lado, pois tem efeito direto na motivação e desempenho dos funcionários e principalmente, na formação dos alunos. Que exemplo está sendo dado a essas crianças, que veem aquilo que lhes pertence em situação de calamidade? Quais os valores que são ensinados a elas? E a auto-estima e sensação de pertencimento, como ficam?

Este texto não questiona a qualidade do ensino oferecido pela EE Napoleão de Carvalho Freire, mas busca apenas destacar a irresponsabilidade do Governo do Estado de São Paulo.

 É dever do Governo manter as escolas públicas em bom estado. O muro caiu há mais de 4 meses, e, repito, até agora nada foi feito.

Tenho certeza que essa não é a única escola que enfrenta esse tipo de problema e esse é o grande motivo deste desabafo. A E.E. Napoleão de Carvalho Freire é uma entre tantas.

Vamos exigir o mínimo, que é o respeito e o cuidado com as nossas escolas.

O endereço da E.E. Napoleão de Carvalho Freire é: Rua Iraúna, 815, Jardim Novo Mundo, São Paulo.

Esperamos uma mudança rápida (que, diga-se de passagem, já vem tarde).

Leia mais sobre o tema e veja o posicionamento dos responsáveis:

Muro de escola está quebrado há 4 meses em SP (Portal Terra)

Muro de escola desaba e aguarda há 4 meses por reparo (O Globo Online)

Escola está há 4 meses com muro destruído (Educar para Crescer)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s